Delegado-geral de SP diz que PM do Paraná se confundiu e que Paulo Cupertino não foi preso

Share:

O delegado-geral de Polícia de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, disse que a Polícia Militar do Paraná vai anunciar que se confundiu e que Paulo Cupertino, assassino do ator Rafael Miguel e dos pais dele, não foi preso no norte paranaense.

O próprio Fontes havia divulgado mais cedo que o assassino havia sido preso.

(CORREÇÃO: com base na informação da polícia de São Paulo, o G1 chegou a noticiar a prisão de Paulo Cupertino. Essa notícia foi chamada com destaque no G1 e nas redes sociais do G1. E foi enviado um alerta por celular. Pelo erro, pedimos desculpas.)

Na segunda-feira (26), a Polícia Civil descobriu que Cupertino fez uma identidade com uma certidão de nascimento falsa em Jataizinho, no norte do Paraná.

Ele estava usando nome falso de "Manoel Machado da Silva" como um disfarce para se esconder. No dia que fez o pedido de nova identidade, o acusado usou um endereço de Ibiporã, cidade que fica a 8 quilômetros de distância de Jataizinho.

Além do nome falso, a certidão constava nomes diferentes dos pais dele e teria como origem a comarca de Rio Brilhante, que fica em Mato Grosso do Sul. Os dois documentos foram cancelados.

O crime

O crime aconteceu em junho de 2019, na Zona Sul de São Paulo. Paulo Cupertino é acusado de atirar 13 vezes em Rafael Miguel e em seus pais, o casal João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50. Ele não aceitava o relacionamento da filha com Rafael Miguel.

Em 19 de junho de 2020, a Justiça converteu o mandado de prisão temporária dele em preventiva. Desde julho deste ano, Paulo Cupertino estava na lista dos criminosos mais procurados pela polícia de SP.

Identificação

Em agosto deste ano, o Instituto de Identificação paranaense recebeu a informação da Polícia Civil de São Paulo que o acusado poderia ter feito uma identidade em algum estado vizinho.

Assim que as digitais foram enviadas de São Paulo para o Paraná, o Instituto fez uma análise e encontrou a identidade falsa.

G1